Fazenda Estadual prepara terceira edição da operação Concorrência Leal | Blog

Contabilidade/Fiscal

Fazenda Estadual prepara terceira edição da operação Concorrência Leal

por grupometa • 09/11/2015 • 10:11

A Secretaria de Estado da Fazenda trabalha no planejamento da terceira edição da Concorrência Leal. Uma série de novidades está prevista nessa nova etapa da operação, malha fina que aplica controles capazes de apurar a receita bruta tributada em empresas optantes pelo Simples Nacional. “A cada nova edição estamos aumentando o rigor. Nosso objetivo é orientar as microempresas e empresas de pequeno porte para que elas percebam que a informalidade fiscal em Santa Catarina não compensa”, afirma Luiz Carlos Feitoza, coordenador do GESSIMPLES.

Entre as inovações, destacam-se:

– controle de compras por meio de CPF;

– informações registradas no Emissor de Cupom Fiscal (ECF);

– controle de operações por meio do Código Fiscal de Operações e de Prestações (CFOP), tais como remessa para demonstração e feiras, entre outras;

– retificações que diminuem o valor dos tributos com indícios de fraude.

A operação terá duas fases de processamento. A primeira envolverá só o profissional de contabilidade, que receberá um comunicado por meio do Sistema de Administração Tributária (SAT) para prestar, no próprio sistema, informações contábeis do balanço e da Demonstração de Resultado do Exercício (DRE), nos mesmos moldes da segunda edição. Nesta fase, será aberto prazo para que o profissional de contabilidade apresente prova da informação prestada para alguns casos apontados pelo sistema.

Terminado o prazo da primeira fase, a Fazenda realizará um novo processamento e disponibilizará a versão final dos cruzamentos, no mesmo formato da Concorrência Leal 2. “A partir desta fase, contadores ou contribuintes terão total acesso às informações, documento a documento, cálculo a cálculo, tudo dentro da maior transparência possível para que não reste dúvida sobre a metodologia empregada e os valores apresentados”, afirma Feitoza.

A Fazenda acredita que a obtenção das informações contábeis antes do processamento final trará resultados mais consistentes. Feitoza explica que ao utilizar todas as informações escrituradas pela própria empresa, o fisco terá condições de levantar, com mais eficiência, indícios de omissão de receita e segregação indevida que não atendem às validações mínimas criadas pelas regras de auditoria estabelecidas na operação.

Fonte: Portal Contábil SC

Artigos relacionados

Newsletter

Receba dicas e as novidades do mercado para ganhar muito mais tempo e eficiência nas operações da empresa! Preencha seus dados e assine nossa newsletter:



A MP nº 936/2020 foi publicada em 1º de abril de 2020, trazendo medidas para combate ao desemprego diante do atual cenário da pandemia.

Uma das principais medidas está relacionada com os acordos realizados com os empregados para a redução de jornada e salário, bem como a suspensão do contrato de trabalho.

Essa MP foi publicada com prazo de validade de 60 dias, ocorre que em 1º de junho houve a expiração deste prazo.

Com isso, o Congresso Nacional prorrogou a sua vigência por mais 60 dias.

Entretanto, importante destacar que esta prorrogação não autoriza as empresas a realizarem um novo acordo de suspensão do contrato de trabalho por mais 60 dias, caso a empresa já tenha optado por esta opção anteriormente.

Essa prorrogação da vigência dá a oportunidade das empresas que ainda não realizaram a suspensão do contrato ou a redução de jornada, de aderirem a essas medidas do Governo.

Agora, se a empresa já realizou a suspensão do contrato de trabalho por 60 dias, ela ainda poderá realizar um novo acordo para a redução da jornada e salário pelo prazo de 30 dias, pois não poderá haver acordos superiores a 90 dias.

 

Fonte: Jornal Contábil

A MP nº 936/2020 foi publicada em 1º de abril de 2020, trazendo medidas para combate ao desemprego diante do atual cenário da pandemia.

Uma das principais medidas está relacionada com os acordos realizados com os empregados para a redução de jornada e salário, bem como a suspensão do contrato de trabalho.

Essa MP foi publicada com prazo de validade de 60 dias, ocorre que em 1º de junho houve a expiração deste prazo.

Com isso, o Congresso Nacional prorrogou a sua vigência por mais 60 dias.

Entretanto, importante destacar que esta prorrogação não autoriza as empresas a realizarem um novo acordo de suspensão do contrato de trabalho por mais 60 dias, caso a empresa já tenha optado por esta opção anteriormente.

Essa prorrogação da vigência dá a oportunidade das empresas que ainda não realizaram a suspensão do contrato ou a redução de jornada, de aderirem a essas medidas do Governo.

Agora, se a empresa já realizou a suspensão do contrato de trabalho por 60 dias, ela ainda poderá realizar um novo acordo para a redução da jornada e salário pelo prazo de 30 dias, pois não poderá haver acordos superiores a 90 dias.

 

Fonte: Jornal Contábil