Contabilidade/Fiscal

Como melhorar a gestão fiscal do meu negócio?

por Grupo Meta • 27/09/2016 • 15:15

Como melhorar a gestão fiscal do meu negócio?Toda movimentação empresarial que exija nota fiscal, de saída ou entrada, movimenta impostos e possivelmente também créditos tributários — e são constantes. Além disso, o enquadramento de um negócio por si só apresenta outros elementos e impõe processos à empresa.

Portanto, a gestão fiscal precisa ser a melhor possível para lidar com essas responsabilidades. Uma decisão com base no departamento fiscal pode gerar economia, reduzir mão de obra em burocracia e trazer outros bons resultados.

Quer saber como? Então, nos acompanhe e atente-se às dicas para aperfeiçoar esse gerenciamento na sua empresa.

Pesquise a possibilidade de obter benefícios fiscais

O Governo Federal oferece retorno em redução de impostos por algumas iniciativas empresariais — e são várias, em diferentes áreas. Então, estude quais delas se encaixam em seu empreendimento e obtenha as vantagens em carga tributária.

Além disso, muitos desses benefícios são direcionados a investimentos que o negócio pode fazer em mão de obra, pesquisa e desenvolvimento dentro da área de atuação. Portanto, além da economia em tributos, o retorno pode vir também em crescimento da organização.

Tenha um bom planejamento tributário

Como você vai diminuir a carga de impostos sem sonegá-los ou omitir notas fiscais, além de usando benefícios fiscais? Planejando.

Avalie sempre as possibilidades que a lei oferece de reduzir tributos — como em interpretação cabível da legislação, utilização de créditos recebidos e diferenciação na tributação devido à procedência e finalidade de produtos. E não se esqueça de verificar possíveis casos de recuperação de impostos.

Analise constantemente os demais regimes tributários e a possibilidade de alterar o enquadramento se for vantajoso. Faça isso simulando a carga com os números reais dos meses mais recentes das operações de sua empresa para perceber a diferença entre as alíquotas. Porém, não se esqueça de aplicar os critérios de obtenção e uso de créditos para comparar a carga real paga com a hipotética.

Considere questões burocráticas

A diferença entre regimes está também na burocracia exigida. Então, quando for estudar outros enquadramentos, verifique as obrigações acessórias requeridas. Caso a diferença entre impostos não seja realmente relevante, aí pode estar o diferencial de escolha.

E lembre-se dos benefícios fiscais nessa avaliação, pois alguns apenas são disponíveis em determinados regimes de tributação. Coloque tudo na sua balança fiscal interna.

Realize auditorias fiscais

As auditorias certificam que o trabalho do departamento fiscal está exato e de acordo com a legislação. Elas verificam tanto processos de rotina quanto sazonais, como a transmissão da Escrituração Fiscal Digital (EFD) no Sistema Público de Escrituração Digital (Sped).

De forma básica, faça aplicações de fechamento e revisão de procedimentos em seu software de gestão empresarial. Mas também conte com uma empresa especializada nesse trabalho para auditorias aprofundadas e totalmente confiáveis em ações de rotina e também nas mais complexas.

Conte com um ERP de gestão fiscal e empresarial

Uma qualidade dos programas de planejamento de recursos empresariais — tradução de Enterprise Resource Planning (ERP) — é a integração de todos os processos do negócio, inclusive fiscais.

Então, procure trabalhar com um software que automatize recepção e envio de notas fiscais e as emita — incorporando tudo isso com contas a pagar e receber e ordens de compra ativas e passivas. E disponha da funcionalidade de integrar informações entre diferentes departamentos e importá-las, facilitando elaboração e cumprimento de obrigações acessórias.

Estabeleça diretrizes para o trabalho do setor fiscal

Para deixar a gestão fiscal mais fluente e eficientemente automática, defina uma linha de ações — com processos, hierarquização deles e prazos.

Por exemplo, se a equipe estiver alinhada e orientada a calcular os créditos tributários utilizáveis até no máximo dois dias depois do encerramento mensal — antes de apurar os tributos a pagar — nunca se perderá esses valores dedutíveis. E também não ocorrerá busca atribulada por eles no momento da apuração dos impostos, o que não consumirá tempo de outras tarefas.

Preparamos essas dicas e abordagens relativas à gestão fiscal para lhe ajudar no trabalho dentro de sua empresa. Agora, compartilhe o post nas redes sociais e auxilie também os seus contatos!

0818_CTA_Ebook_Data_Driven

Artigos relacionados

Newsletter

Receba dicas e as novidades do mercado para ganhar muito mais tempo e eficiência nas operações da empresa! Preencha seus dados e assine nossa newsletter: