fbpx

Simples Nacional: como esse regime de tributação impacta na minha empresa?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Muitos pequenos empresários têm calafrios só de pensar na complexidade do sistema tributário brasileiro. Para cumprir todas as regras do Fisco, uma empresa deve preencher muitos papéis e pagar diferentes impostos. Mas as pequenas empresas têm uma saída para reduzir esse martírio: elas podem entrar no Simples Nacional.

O Simples Nacional é um regime tributário que reduz o volume de impostos cobrados das empresas e facilita os pagamentos. As empresas do Simples Nacional pagam um imposto único ao governo, o que simplifica o acerto de contas com a Receita e, geralmente, reduz a carga tributária. O empreendedor se livra de diversos procedimentos burocráticos.

Em vez de gastar seu tempo para entender o sistema tributário brasileiro, ele poderá se dedicar mais ao seu negócio. Para o governo, a vantagem é que o Simples incentiva os pequenos empresários a formalizarem seu negócio.

Quer saber como esse regime de tributação funciona e como impacta na sua empresa? Então, continue a leitura!

Como funciona o Simples Nacional

As pequenas empresas pagam um imposto único, emitido no site da Receita Federal. O empreendedor vai emitir um DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional) e pagar o boleto. É bem simples! Esse imposto livra a empresa de ter de pagar outros oito tributos:

  • Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ);
  • Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL);
  • PIS;
  • Cofins;
  • Imposto Sobre Produto Industrializado (IPI);
  • INSS patronal;
  • ICMS;
  • Imposto Sobre Serviços (ISS).

 

A alíquota do imposto único varia de acordo com a atividade econômica de cada empresa. As tabelas estão disponíveis no site da Receita Federal.

Quem pode se cadastrar

O Simples Nacional só está disponível para pequenos negócios. O limite é o faturamento anual, que pode ser de até R$ 3,6 milhões. O cadastro não é automático: as empresas interessadas em entrar no Simples Nacional precisam se cadastrar no site da Receita Federal sempre no mês de janeiro. Todo processo pode ser feito pela internet.

Vantagens e desvantagens

É mais fácil pagar impostos dentro do Simples Nacional. O programa reduz a burocracia para as pequenas empresas e facilita sua formalização. Em geral, as empresas do Simples também pagam menos impostos. No Simples, não há pagamento do INSS patronal, por exemplo, o que reduz o custo trabalhista.

Uma desvantagem do Simples Nacional é que a empresa não consegue aproveitar créditos tributários, como o crédito do ICMS e do IPI. Outra é que ele recolhe seu imposto único sobre a receita da empresa, enquanto no regime de lucro presumido ou lucro real o valor pago no imposto de renda é sobre o lucro se a empresa der prejuízo, não paga imposto de renda.

Teto maior

O governo reajustou o teto para adesão ao Simples Nacional. A partir de 2018, o limite de faturamento anual para entrar no Simples subirá para R$ 4,8 milhões.

A proposta foi aprovada pelo Congresso e sancionada pelo presidente Michel Temer em outubro do ano passado. A nova regra também amplia o prazo de parcelamento de dívidas tributárias de pequenas empresas, de 60 meses para 120 meses.

Quer entender mais sobre tributação e contabilidade para sua empresa? Assine a nossa newsletter e não perca nenhum dos nossos conteúdos sobre finanças e contabilidade!

Assine a nossa Newsletter