fbpx

Como evitar e defender a empresa de processos judiciais trabalhistas?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Uma questão que normalmente faz com que os empregadores percam noites de sono é o ajuizamento de processos judiciais trabalhistas pelos funcionários que pedem demissão ou são demitidos.

A prática, cada vez mais recorrente, é motivada por diversos fatores: atrasos em pagamentos, irregularidades nos cálculos de horas extras e adicionais, não concessão de férias nos prazos legais etc.

No post de hoje, abordaremos as principais causas das ações trabalhistas, como evitar que elas sejam ajuizadas e quais os melhores mecanismos de defesa. Confira:

 

1. Principais motivações dos processos judiciais trabalhistas

Entre as cobranças mais comuns nas ações trabalhistas estão as horas extras, os intervalos intrajornada, o terço constitucional de férias, o 13º salário integral ou proporcional, os adicionais de insalubridade e periculosidade, a indenização por atraso no pagamento de verbas rescisórias e o dano moral.

Essas ações devem receber atenção redobrada dos empregadores, uma vez que constituem verbas de caráter alimentar e, portanto, é muito difícil apresentar justificativas legais para o não pagamento ou para o pagamento parcial ou com atraso.

 

2. Como evitar o ajuizamento das ações

Para reduzir problemas desse cunho, é essencial que, ao contratar um funcionário, você providencie a assinatura de um contrato de trabalho e observe, no dia a dia, todas as regras ali estabelecidas.

Em caso de alterações, faça um termo aditivo e não se esqueça de fazer os registros na Carteira de Trabalho.

Da mesma forma, é imprescindível manter os pagamentos em dia e verificar frequentemente a legislação trabalhista e as convenções coletivas de cada categoria.

Para isso, conte com o apoio especializado de advogados e contadores.

Acredite: o custo das ações preventivas é sempre inferior ao custo de uma ação trabalhista que envolve, além da contratação de um profissional especializado para a elaboração de defesa, o pagamento de multas, juros e honorários advocatícios.

Isso sem contar na possibilidade de incidência de verbas indevidas em razão da má fé do funcionário e das medidas protetivas adotadas pelos Juízes do Trabalho.

 

3. Como se defender

Se mesmo com as medidas de prevenção as ações forem ajuizadas, é importante que você localize toda a documentação do funcionário, todo o histórico funcional e todos os recebidos de pagamento. Feito isso, o segundo passo é contratar um escritório de advocacia ou um advogado qualificado para a elaboração da defesa técnica.

É importante relatar ao advogado toda a verdade para que ele não seja pego de surpresa e possa elaborar uma boa estratégia de defesa.

Além disso, também é interessante que vocês discutam uma possibilidade de acordo, afinal, essa medida pode ser fundamental para a redução dos gastos com multas e indenizações.

Lembre-se: cada caso é único, então só um profissional habilitado poderá auxiliá-lo.

 

4. Seguro garantia

Atualmente, uma prática muito adotada pelas empresas é a contratação de um seguro garantia judicial, que visa auxiliar o empregador com o pagamento de despesas judiciais, especialmente aquelas relacionadas à caução para a apresentação de recursos e à garantia de valores para evitar o risco de leilão.

Essa medida, além de trazer segurança, reduz a onerosidade, uma vez que evita a realização de empréstimos urgentes com altos juros ou até mesmo a perda de bens em casos de penhora.

O interessante é que as apólices são feitas de acordo com o interesse de cada gestor e o seguro cobre os riscos de qualquer ação judicial, seja ela cível, fiscal, trabalhista etc.

A medida é tão eficaz que o novo Código de Processo Civil estabeleceu a possibilidade de esse seguro substituir a penhora.

Com essas dicas, com certeza você reduzirá os riscos de processos judiciais trabalhistas e saberá como se defender caso, ainda assim, elas venham a ocorrer.

Mesmo assim é importante que você se mantenha sempre atualizado e acompanhe as mudanças legislativas para não incorrer em erros por desconhecimento.

Assine a nossa Newsletter