fbpx

3 dicas para controlar o banco de horas na sua empresa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Uma das dúvidas recorrentes de muitos gestores é o controle de horas extras. Além de manter a motivação da equipe, ele ajuda a garantir que a empresa cumpra a lei e evite reclamações trabalhistas futuras. E ainda, permite compreender as necessidades de otimização de processos, bem como prevenir sobrecarga na equipe.

A jornada de trabalho é regida pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e pela Constituição Federal (CF), bem como pela convenção coletiva de cada categoria. São elas, portanto, que devem ser seguidas e a quantidade de horas de trabalho regulares e extras permitidas deve ser respeitada.

Nem sempre, porém, as horas trabalhadas a mais são pagas com o adicional de hora extra. Algumas empresas optam por controlar o banco de horas, que permite que elas sejam compensadas em folgas, extensão de férias ou redução de jornada em alguns dias. Saiba mais a seguir!

Como funciona o banco de horas

As horas acumuladas no banco têm duração de 1 ano (e esse período pode ser renovado). Vencido o prazo, elas devem ser pagas como extras. Caso o profissional seja dispensado, o crédito vira horas extras trabalhadas e deve ser pago conforme o acordado.

A gestão do banco de horas é muito importante para a empresa, pois cabe a ela comprovar que o colaborador trabalhou além de seu expediente. Se não tiver um sistema de controle adequado, a companhia pode ter prejuízo se um trabalhador procurar a Justiça do Trabalho.

O banco de horas permite, ainda, compensar horas devidas e extras. Afinal, no dia a dia corporativo podem surgir imprevistos e demandas que requerem mais tempo de trabalho. Nessas situações, o banco de horas é útil para controlar a jornada.

Por que controlar o banco de horas

Controlar o banco de horas permite saber quanto a equipe tem trabalhado a mais. Isso ajuda os gestores a entenderem melhor a produção para, assim, otimizar os processos e conseguir produzir mais e em menos tempo.

Se a prática das horas extras for comum na organização, isso pode representar um sinal de alerta: é preciso avaliar se a organização e a gestão do tempo estão realmente adequadas, pois talvez haja a necessidade de rever processos internos.

Como fazer a gestão do banco de horas

Quanto mais organizadas estiverem as informações sobre a jornada dos funcionários, mais facilidade a empresa terá para definir o modelo a ser adotado. Veja, a seguir, algumas formas de controlar o banco de horas.

1. Elabore planilhas

Bastante simples costuma ser, o método adotado por muitas empresas de pequeno e médio portes. E tem a vantagem de permitir a emissão de relatórios personalizados. Para que seja funcional, deve conter:

  • carga horária de cada funcionário;
  • controle de entrada e saída;
  • horas noturnas trabalhadas;
  • adicional de periculosidade;
  • horas devidas, trabalhadas e extras de cada empregado;
  • horas trabalhadas por funcionário todo mês;
  • relação de horas trabalhadas e descontadas.

Nas planilhas, os dados são adicionados manualmente — o que pode gerar falhas. E há, ainda, a dificuldade de integrá-los à folha de pagamento dos funcionários.

2. Utilize softwares específicos

Em empresas maiores, o relógio de ponto, exigido por lei, é uma ótima saída para o controlar a jornada dos colaboradores. Com ele, o RH tem informações precisas sobre horas totais, horas extras, jornadas reduzidas e outros. E ainda, é comum que os relógios de ponto sejam integrados com a folha de pagamento.

3. Faça o controle online de horas

Uma das formas mais práticas de controlar o banco de horas é usando uma ferramenta online. Existem várias opções — diversas delas gratuitas — que, muitas vezes, têm um cronômetro que permite saber quanto tempo é necessário para cada atividade. Isso ajuda a ter mais dados para determinar prazos e precificar projetos.


Com a Reforma Trabalhista os acordos tem validade de 1 ano, mas as horas devem ser acertadas em no máximo 6 meses.

Com a nova lei, o banco de horas continua mantido por um ano, por meio de norma coletiva. No entanto, haverá a possibilidade de as partes ajustarem diretamente a compensação em tempo menor, dentro do período máximo de seis meses, sendo que nesta hipótese fica dispensada a necessidade da intervenção do sindicato.”

Gostou de conhecer melhor as opções do banco de horas? Para melhorar a motivação da equipe, veja nosso e-book sobre como contratar seguros para seus colaboradores.

CTA Segredos da Gestão de RH

Assine a nossa Newsletter