DIREITOS TRABALHISTAS EM TRANSFORMAÇÃO | Blog

RH/Terceirização

DIREITOS TRABALHISTAS EM TRANSFORMAÇÃO

por Grupo Meta • 19/08/2016 • 15:25

Enquanto o esporte e a política dividem a atenção do brasileiro, o governo do presidente interino Michel Temer (PMDB) tem conseguido, discretamente, dar corpo a uma medida ampla e polêmica: a reforma trabalhista.

Diante de uma economia em forte recessão, o governo busca formas de resgatar a produtividade e a competitividade do Brasil. Uma das apostas é na flexibilização da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), estabelecida por Getúlio Vargas, em 1943.

Nesse caminho, conversas formais e informais com sindicatos de trabalhadores e representantes da classe empresarial já estão adiantadas. Algumas propostas já foram sinalizadas pelo governo. A ideia é facilitar os acordos coletivos, para, reduzindo os custos dos empresários ao investir, aumentar a competitividade da economia. Assim, as negociações entre empresas e sindicatos terão mais poder que as leis.

Dessa forma, FGTS, férias, previdência social, 13º salário e licença-maternidade, entre outros, continuarão existindo obrigatoriamente, mas com a possibilidade de serem flexibilizados. Faz parte da proposta, ainda, a conclusão da votação do projeto que trata da terceirização.

Há muitos penduricalhos que não aparecem na Constituição e são motivos de reclamações constantes, como por exemplo, o descanso para almoço de uma hora (se o empregado quiser reduzir o tempo e sair mais cedo, a lei não permite).

Outros casos que poderiam ser acordados dizem respeito aos casos em que o funcionário fica à disposição dos patrão, fora do expediente sem ser acionado, e o tempo gasto em deslocamentos quando a empresa busca os trabalhadores – considerados hoje como hora extra.

Para o advogado trabalhista Alberto Nemer, a principal função da reforma vai ser dar maior segurança jurídica a empresários e trabalhadores, o que, por consequência, possibilitará o reaquecimento da economia por meio da retomada das contratações.

“Regras mais claras vão gerar oportunidades de trabalho, obviamente respeitando o mínimo previsto na CLT”, diz.

Muitos sindicatos, porém, se manifestam contrários a qualquer tentativa de alteração. “É necessário fazer uma reforma política e fiscal, pois o que a gente vê é tudo para alguns e nada para muitos. Não vamos aceitar isso”, afirma a sindicalista Noêmia Simonassi.

Dirigente da CUT e do Sindiupes, Noêmia avalia que o país está passando por uma crise política que impulsiona a crise econômica. “Aí, na hora do arrocho fiscal, quem paga a conta é o trabalhador. Se diminuir o salário dos deputados, senadores, juízes e todas as mordomias deles, já seria uma boa economia”.

Nas ruas, muitos questionamentos. Em seu primeiro emprego, a atendente de farmácia Geisa Lima teme a reforma. “Está muito difícil para conseguir entrar no mercado de trabalho. Se for mudar a lei, tem que ser para melhorar a nossa vida, principalmente a do jovem”.

A previsão é de que projeto seja enviado para o Congresso até o início de 2017.

O que está sendo discutido

Por que flexibilizar as regras trabalhistas?

Diante de uma economia em recessão, o governo acredita que uma forma de o país dar nova guinada econômica é por meio da flexibilização da CLT.

Quando deve vigorar?

A reforma deverá passar pelo Congresso Nacional, mas há possibilidade de acontecer por meio de decreto presidencial.

Intenção da proposta

Permitir que acordos coletivos tenham mais poder do que a CLT e também do que as convenções coletivas. O governo pretende estabelecer todos os direitos que poderão ser negociados. São, ao todo, 34 itens estudados.

Redução de salário

A intenção é permitir que vários itens previstos no artigo 7º da Constituição Federal de maneira genérica ou que foram melhor detalhados pela CLT sejam flexibilizados. Uma das propostas é permitir que haja redução de salários, algo que hoje é proibido.

Jornada maior

Outro direito que poderá ser negociado em acordos entre empresas e sindicatos é o aumento da jornada de trabalho, hoje limitada a 44 horas semanais.

Férias e 13º

No grupo de itens que poderão ser negociados estão ainda férias (divisão), 13º salário (parcelamento), adicionais noturno e de insalubridade, salário mínimo, licença-paternidade, auxílio-creche, descanso semanal remunerado, banco de horas e FGTS.

Diretos que não poderão ser negociados

A proposta deve proibir mudanças no seguro-desemprego, no salário-família, na remuneração da hora extra, da licença-maternidade de 120 dias e do aviso prévio proporcional ao tempo de serviço.

Como serão os acordos?

Serão feitos por sindicatos e a empresa, e precisarão ser aprovados em assembleia de trabalhadores.

Terceirização

Outro ponto da reforma é a terceirização. A ideia é permitir que as empresas possam contratar trabalhadores terceirizados para a atividade-fim, algo hoje proibido pela legislação.

PPE

O governo vai estudar a possibilidade de tornar o Programa de Proteção ao Emprego (PPE), criado para o período da crise, de forma permanente.

Fonte: A Gazeta

Artigos relacionados

Newsletter

Receba dicas e as novidades do mercado para ganhar muito mais tempo e eficiência nas operações da empresa! Preencha seus dados e assine nossa newsletter:



É comum ficar confuso quanto ao percurso de uma entrevista no processo seletivo, assim como quanto ao conhecimento prévio das características requisitadas para a vaga.

O avaliador, porém, tem o objetivo de conhecer o perfil dos entrevistados e, com isso, filtrar os qualificados para a vaga proposta. Portanto, algumas questões regularmente levantadas são: a formação acadêmica, a experiência técnica e a comunicação. Abaixo, explicamos cada um dos requisitos:

 

Formação Acadêmica: Ter formação na área específica do cargo garante vantagem ao entrevistado, já que esses profissionais tem maior probabilidade de terem um maior aproveitamento e competência na atuação da vaga.

Certifique-se, então, que as informações sobre formação acadêmica estejam atualizadas no currículo, contendo nome do curso, nome da instituição e período da realização. É fundamental ressaltar os cursos por ordem de importância, para que os mais relevantes apareçam com maior destaque no currículo.

 

Experiência Técnica: Ao elaborar o currículo é importante ressaltar as experiências profissionais alinhadas ao objetivo, demonstrando qualificação para ocupar o cargo de interesse. Descreva as principais atividades realizadas nas empresas anteriores.

A experiência técnica geralmente é vista como principal item avaliado para a contratação, isso porque, para as empresas, é interessante que o profissional já ingresse apresentando resultados. Além disso, contratar um funcionário com vivência na área, economiza tempo e elimina problemas na duração do contrato.

Não deixe de colocar as datas de entrada e de saída da empresa.

 

Comunicação: É importante expor ao selecionador de forma clara e verídica, as experiências e projetos dos quais você fez parte, fornecendo informações que darão ao selecionador uma ampla base para a análise do perfil.

 

Esses são os métodos base, frequentemente utilizados pelos profissionais, como forma de buscar candidatos alinhados aos cargos.

Com os melhores avaliadores, encontramos os melhores talentos. Encontre outras dicas em nosso blog.

É comum ficar confuso quanto ao percurso de uma entrevista no processo seletivo, assim como quanto ao conhecimento prévio das características requisitadas para a vaga.

O avaliador, porém, tem o objetivo de conhecer o perfil dos entrevistados e, com isso, filtrar os qualificados para a vaga proposta. Portanto, algumas questões regularmente levantadas são: a formação acadêmica, a experiência técnica e a comunicação. Abaixo, explicamos cada um dos requisitos:

 

Formação Acadêmica: Ter formação na área específica do cargo garante vantagem ao entrevistado, já que esses profissionais tem maior probabilidade de terem um maior aproveitamento e competência na atuação da vaga.

Certifique-se, então, que as informações sobre formação acadêmica estejam atualizadas no currículo, contendo nome do curso, nome da instituição e período da realização. É fundamental ressaltar os cursos por ordem de importância, para que os mais relevantes apareçam com maior destaque no currículo.

 

Experiência Técnica: Ao elaborar o currículo é importante ressaltar as experiências profissionais alinhadas ao objetivo, demonstrando qualificação para ocupar o cargo de interesse. Descreva as principais atividades realizadas nas empresas anteriores.

A experiência técnica geralmente é vista como principal item avaliado para a contratação, isso porque, para as empresas, é interessante que o profissional já ingresse apresentando resultados. Além disso, contratar um funcionário com vivência na área, economiza tempo e elimina problemas na duração do contrato.

Não deixe de colocar as datas de entrada e de saída da empresa.

 

Comunicação: É importante expor ao selecionador de forma clara e verídica, as experiências e projetos dos quais você fez parte, fornecendo informações que darão ao selecionador uma ampla base para a análise do perfil.

 

Esses são os métodos base, frequentemente utilizados pelos profissionais, como forma de buscar candidatos alinhados aos cargos.

Com os melhores avaliadores, encontramos os melhores talentos. Encontre outras dicas em nosso blog.