Folha de pagamento: 5 dicas para fazê-la | Blog

Contabilidade/Fiscal

Folha de pagamento: 5 dicas para fazê-la

por Grupo Meta • 09/07/2015 • 09:33

Folha de pagamento: 5 dicas para fazê-laA folha de pagamento transforma os dados dos seus colaboradores em informações contábeis, por isso, o seu preenchimento deve ser feito com o máximo de precisão para que não haja descontos desnecessários no pagamento líquido e demais descontos desse trabalhador e nem o registro incorreto de informações que possam prejudicar sua empresa.

Selecionamos a seguir 5 dicas para ajudar você a elaborar suas folhas de pagamento e evitar surpresas desagradáveis na gestão do seu negócio.

Escolha um sistema de registro

Não existe um modelo específico para o registro das informações dos funcionários na folha de pagamento, mas mesmo as pequenas empresas têm aderido ao uso de softwares de gestão, pois, além de permitir a inserção de uma grande quantidade de dados, eles são mais fáceis de serem utilizados do que as planilhas tradicionais. Seja a planilha ou o software, o importante é que você adapte esse sistema de registro de dados de acordo com as necessidades da sua empresa.

Verifique o lançamento de horários

Para que as folhas de pagamento sejam processadas, você precisa ter à disposição um registro das horas trabalhadas por cada colaborador de sua empresa. Esses dados da jornada de trabalho são utilizados no cálculo salarial e de outros benefícios como o pagamento de hora extra e adicional noturno, descanso semanal remunerado, banco de horas etc.

Defina um registro de ponto

De acordo com a lei, caso sua empresa possua mais de 10 funcionários, o registro de ponto é obrigatório. Essa marcação pode ser feita manualmente por meio de relógio ou cartão de ponto ou eletronicamente, via cartão magnético ou impressão digital. A vantagem da utilização de pontos eletrônicos é que eles realizam cálculos e relatórios, apresentando os descontos e vencimentos, facilitando a elaboração da folha de pagamento da sua empresa. No caso de lançamento manual é importante que você e seu contador escolham um método para o lançamento ao mesmo grupo de funcionários.

Não se esqueça que independentemente do tipo de controle de ponto utilizado, é necessária a assinatura de seu colaborador para que ele verifique os horários de entrada, saída, hora extra, entre outros.

Fique atento às variações salariais

Lembre-se de que existem algumas variações que fazem parte da rotina de toda empresa e que acabam influenciando em sua folha de pagamentos, como, por exemplo, rescisões de contratos, horas extras, descontos com previdência social, admissões e 13º salário. Por isso, é essencial que sua empresa realize um bom controle de caixa para que as variações que podem eventualmente acontecer em sua folha de pagamento não causem dores de cabeça ao final do mês.

Destine uma conta para o pagamento da folha de pagamento

Uma medida importante é que sua empresa tenha uma conta bancária exclusiva para o pagamento da folha de pagamento de seus colaboradores. Essa solução tem, pelo menos, duas vantagens. A primeira é a distinção dos gastos salariais de outras contas do negócio e a outra é a facilidade que a conta separada oferece caso seja necessária a comprovação de dados durante uma fiscalização.

Como você percebeu acima, existem muitos cuidados que são essenciais para fazer um bom gerenciamento da folha de pagamento. Mas sabemos muitas vezes que o RH fica sobrecarregado com diversas funções e o que é pior: ao ter um foco muito grande na folha, pode deixar de lado sua principal função, que é reter talentos.

O Grupo Meta tem mais de 20 anos de experiência no mercado e pode assumir toda a folha de pagamento da sua empresa, entre em contato conosco e saiba mais!

Artigos relacionados

Newsletter

Receba dicas e as novidades do mercado para ganhar muito mais tempo e eficiência nas operações da empresa! Preencha seus dados e assine nossa newsletter:



Transação Excepcional: nova modalidade prevê descontos e condições facilitadas de entrada.

 

A adesão está condicionada à apresentação de informações relacionadas aos impactos econômicos e financeiros sofridos pelo contribuinte em decorrência da pandemia e à verificação da capacidade de pagamento.

A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) regulamentou a Transação Excepcional na cobrança da dívida ativa da União, em função dos efeitos da pandemia pelo novo coronavírus na capacidade de geração de resultados da pessoa jurídica e no comprometimento da renda das pessoas físicas.

A nova modalidade estará disponível para adesão, no portal REGULARIZE, a partir de 1º de julho até 29 de dezembro de 2020. Os benefícios – como entrada reduzida, descontos e prazos diferenciados – serão concedidos conforme a capacidade de pagamento do contribuinte, para dívidas de até R$ 150 milhões.

Vale destacar que a Transação Excepcional não abrange débitos junto ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), do Simples Nacional e de multas criminais; e, no caso de débitos superiores a R$ 150 milhões, o contribuinte deverá recorrer ao Acordo de Transação Individual para negociar.

 

Contribuintes contemplados

A Transação Excepcional é destinada aos débitos considerados pela PGFN de difícil recuperação ou irrecuperáveis. Para essa verificação, será avaliada a capacidade de pagamento do contribuinte, levando-se em consideração  impactos econômicos e financeiros causados pela pandemia..

Para tal finalidade, no caso de pessoa jurídica, considera-se impacto na capacidade de geração de resultados a redução, em qualquer percentual, da soma da receita bruta mensal de 2020 – com o início no mês de março e o fim no mês imediatamente anterior ao mês de adesão –, em relação à soma da receita bruta mensal do mesmo período de 2019, apurada na forma do art. 12 do Decreto-Lei n. 1.598/1977.

Já para as pessoas físicas, considera-se impacto no comprometimento da renda das pessoas físicas a redução, em qualquer percentual, da soma do rendimento bruto mensal de 2020 – com início o no mês de março e o fim no mês imediatamente anterior ao mês de adesão –, em relação à soma do rendimento bruto mensal do mesmo período de 2019.

Diante disso, o contribuinte interessado na Transação Excepcional deverá prestar informações, perante a PGFN, demonstrando esses impactos financeiros sofridos.

Essas informações serão comparadas com as demais informações econômico-fiscais disponíveis na base de dados da PGFN, para fins de avaliação da capacidade de pagamento.

Com base na capacidade de pagamento estimada, a PGFN disponibilizará propostas para adesão pelo contribuinte.

 

Benefícios das propostas

Essa modalidade de transação permite que a entrada, referente a 4% do valor total das inscrições selecionadas, seja parcelada em até 12 meses, sendo o pagamento do saldo restante:

Cumpre destacar que, para a transação de débitos previdenciários, o número de parcelas continua sendo, no máximo, de 60 vezes, por conta de limitações constitucionais.

 

Como aderir à transação

O procedimento de adesão possui três etapas, sendo todas realizadas por meio do REGULARIZE, na opção Negociação de Dívida > Acessar o SISPAR. Recorde-se que a modalidade estará disponível para adesão somente a partir de 1º de julho.

A primeira etapa consiste em prestar as informações necessárias, em especial as que dizem respeito aos rendimentos, para a PGFN verificar a capacidade de pagamento do contribuinte e liberar uma proposta de acordo para o perfil dele.

Feito isso, o contribuinte poderá realizar o pedido de adesão ao acordo. Após a adesão, o contribuinte deve pagar o documento de arrecadação da primeira parcela para a transação ser efetivada. Caso não seja paga a primeira parcela até a data de vencimento, o acordo será cancelado.

A Transação Excepcional é regulamentada pela Portaria n. 14.402, de 16 de junho de 2020.

 

Fonte: PGFN

Transação Excepcional: nova modalidade prevê descontos e condições facilitadas de entrada.

 

A adesão está condicionada à apresentação de informações relacionadas aos impactos econômicos e financeiros sofridos pelo contribuinte em decorrência da pandemia e à verificação da capacidade de pagamento.

A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) regulamentou a Transação Excepcional na cobrança da dívida ativa da União, em função dos efeitos da pandemia pelo novo coronavírus na capacidade de geração de resultados da pessoa jurídica e no comprometimento da renda das pessoas físicas.

A nova modalidade estará disponível para adesão, no portal REGULARIZE, a partir de 1º de julho até 29 de dezembro de 2020. Os benefícios – como entrada reduzida, descontos e prazos diferenciados – serão concedidos conforme a capacidade de pagamento do contribuinte, para dívidas de até R$ 150 milhões.

Vale destacar que a Transação Excepcional não abrange débitos junto ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), do Simples Nacional e de multas criminais; e, no caso de débitos superiores a R$ 150 milhões, o contribuinte deverá recorrer ao Acordo de Transação Individual para negociar.

 

Contribuintes contemplados

A Transação Excepcional é destinada aos débitos considerados pela PGFN de difícil recuperação ou irrecuperáveis. Para essa verificação, será avaliada a capacidade de pagamento do contribuinte, levando-se em consideração  impactos econômicos e financeiros causados pela pandemia..

Para tal finalidade, no caso de pessoa jurídica, considera-se impacto na capacidade de geração de resultados a redução, em qualquer percentual, da soma da receita bruta mensal de 2020 – com o início no mês de março e o fim no mês imediatamente anterior ao mês de adesão –, em relação à soma da receita bruta mensal do mesmo período de 2019, apurada na forma do art. 12 do Decreto-Lei n. 1.598/1977.

Já para as pessoas físicas, considera-se impacto no comprometimento da renda das pessoas físicas a redução, em qualquer percentual, da soma do rendimento bruto mensal de 2020 – com início o no mês de março e o fim no mês imediatamente anterior ao mês de adesão –, em relação à soma do rendimento bruto mensal do mesmo período de 2019.

Diante disso, o contribuinte interessado na Transação Excepcional deverá prestar informações, perante a PGFN, demonstrando esses impactos financeiros sofridos.

Essas informações serão comparadas com as demais informações econômico-fiscais disponíveis na base de dados da PGFN, para fins de avaliação da capacidade de pagamento.

Com base na capacidade de pagamento estimada, a PGFN disponibilizará propostas para adesão pelo contribuinte.

 

Benefícios das propostas

Essa modalidade de transação permite que a entrada, referente a 4% do valor total das inscrições selecionadas, seja parcelada em até 12 meses, sendo o pagamento do saldo restante:

Cumpre destacar que, para a transação de débitos previdenciários, o número de parcelas continua sendo, no máximo, de 60 vezes, por conta de limitações constitucionais.

 

Como aderir à transação

O procedimento de adesão possui três etapas, sendo todas realizadas por meio do REGULARIZE, na opção Negociação de Dívida > Acessar o SISPAR. Recorde-se que a modalidade estará disponível para adesão somente a partir de 1º de julho.

A primeira etapa consiste em prestar as informações necessárias, em especial as que dizem respeito aos rendimentos, para a PGFN verificar a capacidade de pagamento do contribuinte e liberar uma proposta de acordo para o perfil dele.

Feito isso, o contribuinte poderá realizar o pedido de adesão ao acordo. Após a adesão, o contribuinte deve pagar o documento de arrecadação da primeira parcela para a transação ser efetivada. Caso não seja paga a primeira parcela até a data de vencimento, o acordo será cancelado.

A Transação Excepcional é regulamentada pela Portaria n. 14.402, de 16 de junho de 2020.

 

Fonte: PGFN