Nunca fez Home Office? Dicas em tempos de Coronavírus | Blog

RH/Terceirização

Nunca fez Home Office? Dicas em tempos de Coronavírus

por Grupo Meta • 20/03/2020 • 11:23

O assunto Corona Vírus está trazendo preocupações diárias em todo o mundo. Aqui no Brasil não é muito diferente, visto que a pandemia está tomando forma e se alastrando de modo considerável, tornando cada vez maior o número dos casos de infectados.

Para que a situação não fuja do controle, foi necessário que algumas providências fossem tomadas, para garantir a segurança de todos. Assim, muitos gestores vêm adotando o regime de Home Office para suas equipes de trabalho, tentando conter a aglomeração desnecessária de pessoas.

Acontece que muitas empresas nunca trabalharam dessa forma e, acabam por ter dificuldades em desenvolver atividades nesse método operacional.

O mesmo acontece com colaboradores que nunca chegaram nem a levar seus notebooks para casa e agora, devido a decisão repentina, acabam estreando com certa dificuldade a nova rotina, que é dentro de sua zona de conforto, mas fora de seus costumes profissionais.

Percebendo a necessidade de informação e direcionamento nessa situação emergencial, resolvemos compartilhar algumas dicas que julgamos necessárias.

 

Como quem tem que tomar as primeiras decisões são as empresas, começaremos com dicas para os gestores, que também podem ser inexperientes no assunto.

 

DICAS PARA OS GESTORES:

1. Primeiramente, deve-se avaliar minuciosamente as atividades de cada colaborador, compreendendo se essas viabilizam ou não, o regime de Home Office.

2. Devido a acelerada necessidade de adaptação, os gestores necessitam pensar na jornada de trabalho da sua equipe, identificando as dificuldades que serão enfrentadas durante a transição. Esses, devem garantir que cada colaborador consiga desempenhar seu papel sem grandes problemas e, para que isso seja possível, é fundamental verificar a estrutura tecnológica oferecida pela empresa, incluindo os equipamentos adequados e o suporte para futuras interferências. Não podemos esquecer da internet, se certificar que o colaborador a têm é extremamente necessário, pois apesar de ser uma aquisição normal para grande parte da sociedade, pode não ser comum para uma minoria. Nesse caso, é preciso achar uma solução para o colaborador.

3. O que não pode faltar de jeito nenhum durante o período fora da empresa, é a comunicação. Essa deve estar em seu mais perfeito estado, sendo preciso que todos os colaboradores estejam cientes de como o contato acontecerá. Escolha mais de um meio de comunicação e instrua a equipe a estar disponível ou online na maior parte da jornada de trabalho. Você pode decidir desde ligações telefônicas, até SMS. O importante é que todos consigam se comunicar.
Exemplos de meios de comunicação: e-mail, WhatsApp, Skype, Slack, Telegram, Facebook Messenger e até mesmo a rede social corporativa.

4. Priorize videochamadas, principalmente quando se tratar de reuniões. Avise aos colaboradores que esse método será utilizado e, dê algum tempo para que eles possam se preparar para a conversa. O diálogo “cara a cara” evita ruídos de comunicação, como mal-entendidos nas falas, que podem acarretar em consequências negativas no relacionamento.

5. A produtividade da equipe vai depender também de como esses estão sendo liderados. O choque de cultura é inevitável e faz com que o colaborador necessite de tempo para se acostumar, enquanto recebe direcionamentos. O gestor precisa estar presente e disponível para dar suporte, seja para resolver problemas, seja para dar atenção ou até mesmo para estabelecer e fazer a cobrança dos prazos. Porém, é recomendado ser cuidadoso para não exagerar nas exigências, como ficar “pegando no pé” a toda hora, afinal, o colaborador precisa sentir que você confia no profissionalismo dele.

6. Por estar trabalhando sem os colegas ao redor, alguns terão a sensação de isolamento. Para amenizar o sentimento e dar ainda mais consistência à comunicação, é interessante fazer breves reuniões no início e no fim do expediente, aproveitando para atualizar a equipe. Esse método pode funcionar também para marcar o fim da jornada de trabalho, liberando os funcionários das responsabilidades profissionais a partir daquele momento.

7. Por fim, tenha paciência e empatia com a equipe, o processo de mudanças no trabalho não é igual para todos, alguns terão facilidade enquanto outros precisarão de mais apoio, ainda mais quando estamos agindo frente a um cenário de preocupação com a segurança e saúde pública. Esteja sempre atento para dar auxílio aos que estiverem com dificuldades e dúvidas. Seja a pessoa que transmite tranquilidade e confiança, até mesmo nas piores situações.

 

Nessa hora o aviso já foi distribuído aos colaboradores. A seguir, descrevemos algumas atitudes que podem facilitar a atuação dentro do Home Office.

 

DICAS PARA COLABORADORES

1. Pense que você vai passar várias horas em um mesmo lugar ou até em uma mesma posição, por isso, é importante escolher um local confortável, onde você consiga exercer suas atividades sem muitas interrupções ou desconforto. Outra recomendação inclui não ficar no seu quarto ou ainda em cima da cama (se essa não for a única opção), evitando misturar os momentos de trabalho e os de descanso, assim como impedir dores no corpo pela posição inadequada.

2. Ter uma boa internet é essencial, já que suas atividades dependem, se não exclusivamente, parcialmente dela. Por isso, prepare-se para ter uma conexão que vai te ajudar e não te atrapalhar. Caso o problema com internet esteja fora de seu alcance, avise seu gestor o quanto antes, assim, podendo obter alguma ajuda em relação ao problema.

Aliás, não deixe de aproveitar os equipamentos oferecidos pela empresa, utilizando esses ao invés dos seus.

3. Mesmo que você não possua um espaço específico para trabalhar, reserve um local para guardar suas coisas e mantê-las organizadas e seguras. Ter uma área organizada contribui, inclusive, para o rendimento do seu trabalho.

4. A organização é extremamente relevante para o Home Office, por isso, é recomendado que você estabeleça ou continue o ritual que você já utilizava quando ia para a empresa. Para algumas pessoas pode ser tomar um banho, outras se maquiar e para outras, exercitar-se. Assim você entra no modo trabalho, e se distrai menos. É importante ficar atento para não deixar as distrações tomarem conta do seu dia.

5. Não esqueça que, ainda que esteja no conforto do seu lar e ninguém do escritório esteja te vendo, provavelmente farão contato com você, uma hora ou outra e… por vídeo. Portanto, esteja apresentável. Nada de ficar de pijama o dia inteiro, hein?!

6. Que ótimo que você conseguiu se concentrar! Contando que você não esqueça da vida. Faça um break, caminhe, alongue-se, se alimente e beba água. Nada é mais importante que a sua saúde, principalmente nesse momento.

7. Prepare-se para o autoconhecimento. Tente perceber em que momentos e situações você é mais produtivo. Se é de manhã, depois de um café, conversando com alguém ou, se é a tarde, enquanto ouve alguma música, sem interrupções. Use esse autoconhecimento para otimizar o tempo de suas atividades e trabalhar sem preocupações.

8. Para deixar a experiência menos solitária, é interessante que os meios de comunicação sejam utilizados para interagir informalmente entre a equipe, seja mandando foto do lanche ou compartilhando alguma experiência ou curiosidade (que não seja o trabalho).

Lembre-se que essas atitudes podem ser obvias para você, mas não para a sua equipe, portanto, tente conversar e trocar ideias com os seus colegas de trabalho.

O importante é saber que não há necessidade de pânico, a questão é se acostumar com a rotina de forma saudável e proveitosa.

Por fim, enfatizamos a importância da consciência social nesse momento. Evite sair de casa ou ter contato presencial com as pessoas. Lembre-se, quarentena não é férias!

Artigos relacionados

Newsletter

Receba dicas e as novidades do mercado para ganhar muito mais tempo e eficiência nas operações da empresa! Preencha seus dados e assine nossa newsletter:



É comum ficar confuso quanto ao percurso de uma entrevista no processo seletivo, assim como quanto ao conhecimento prévio das características requisitadas para a vaga.

O avaliador, porém, tem o objetivo de conhecer o perfil dos entrevistados e, com isso, filtrar os qualificados para a vaga proposta. Portanto, algumas questões regularmente levantadas são: a formação acadêmica, a experiência técnica e a comunicação. Abaixo, explicamos cada um dos requisitos:

 

Formação Acadêmica: Ter formação na área específica do cargo garante vantagem ao entrevistado, já que esses profissionais tem maior probabilidade de terem um maior aproveitamento e competência na atuação da vaga.

Certifique-se, então, que as informações sobre formação acadêmica estejam atualizadas no currículo, contendo nome do curso, nome da instituição e período da realização. É fundamental ressaltar os cursos por ordem de importância, para que os mais relevantes apareçam com maior destaque no currículo.

 

Experiência Técnica: Ao elaborar o currículo é importante ressaltar as experiências profissionais alinhadas ao objetivo, demonstrando qualificação para ocupar o cargo de interesse. Descreva as principais atividades realizadas nas empresas anteriores.

A experiência técnica geralmente é vista como principal item avaliado para a contratação, isso porque, para as empresas, é interessante que o profissional já ingresse apresentando resultados. Além disso, contratar um funcionário com vivência na área, economiza tempo e elimina problemas na duração do contrato.

Não deixe de colocar as datas de entrada e de saída da empresa.

 

Comunicação: É importante expor ao selecionador de forma clara e verídica, as experiências e projetos dos quais você fez parte, fornecendo informações que darão ao selecionador uma ampla base para a análise do perfil.

 

Esses são os métodos base, frequentemente utilizados pelos profissionais, como forma de buscar candidatos alinhados aos cargos.

Com os melhores avaliadores, encontramos os melhores talentos. Encontre outras dicas em nosso blog.

É comum ficar confuso quanto ao percurso de uma entrevista no processo seletivo, assim como quanto ao conhecimento prévio das características requisitadas para a vaga.

O avaliador, porém, tem o objetivo de conhecer o perfil dos entrevistados e, com isso, filtrar os qualificados para a vaga proposta. Portanto, algumas questões regularmente levantadas são: a formação acadêmica, a experiência técnica e a comunicação. Abaixo, explicamos cada um dos requisitos:

 

Formação Acadêmica: Ter formação na área específica do cargo garante vantagem ao entrevistado, já que esses profissionais tem maior probabilidade de terem um maior aproveitamento e competência na atuação da vaga.

Certifique-se, então, que as informações sobre formação acadêmica estejam atualizadas no currículo, contendo nome do curso, nome da instituição e período da realização. É fundamental ressaltar os cursos por ordem de importância, para que os mais relevantes apareçam com maior destaque no currículo.

 

Experiência Técnica: Ao elaborar o currículo é importante ressaltar as experiências profissionais alinhadas ao objetivo, demonstrando qualificação para ocupar o cargo de interesse. Descreva as principais atividades realizadas nas empresas anteriores.

A experiência técnica geralmente é vista como principal item avaliado para a contratação, isso porque, para as empresas, é interessante que o profissional já ingresse apresentando resultados. Além disso, contratar um funcionário com vivência na área, economiza tempo e elimina problemas na duração do contrato.

Não deixe de colocar as datas de entrada e de saída da empresa.

 

Comunicação: É importante expor ao selecionador de forma clara e verídica, as experiências e projetos dos quais você fez parte, fornecendo informações que darão ao selecionador uma ampla base para a análise do perfil.

 

Esses são os métodos base, frequentemente utilizados pelos profissionais, como forma de buscar candidatos alinhados aos cargos.

Com os melhores avaliadores, encontramos os melhores talentos. Encontre outras dicas em nosso blog.