fbpx

8 melhores práticas para retenção de talentos em sua empresa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Boa parte do sucesso de uma empresa está pautado no seu capital humano. Assim, reter talentos se torna uma prática essencial para a condução dos negócios nos dias de hoje.

Cada vez mais é necessário uma equipe com talento, qualificação e motivação para encarar novos desafios dentro da organização. É preciso ter em mente que, quando um funcionário entra na companhia, ele receberá treinamento, conhecerá a filosofia e os objetivos organizacionais e isso consumirá recursos financeiros e humanos. Então, nada melhor que todo esse esforço seja transformado em resultados para a empresa.

Deseja reter talentos para ter retorno de seus investimentos? Veja agora 6 melhores práticas para essa missão!

1. Estímulo dos funcionários

O desafio de muitas empresas é estimular a chamada geração “Y”, composta por profissionais nascidos entre 1980 e 1990, que têm como característica marcante a necessidade de estímulo. É necessário investir na capacidade desses funcionários e criar um ambiente propício à inovação. É preciso criar projetos, metas e formas de valorizar os conhecimentos desses indivíduos.

Para estimular os colaboradores, não há outro caminho senão o conhecimento. Embora a motivação da geração Y seja o tema do momento, não se deve esquecer que a hierarquia das organizações hoje é composta por diversas gerações: Baby Boomers, a Geração X e os Millenials.

Portanto, é uma ilusão acreditar que uma única proposta conseguirá engajar esses três grupos que viveram momentos sociais tão diferentes e possuem expectativas que muitas vezes são opostas quanto ao sucesso na carreira.

Conhecer cada uma dessas gerações e oferecer exatamente o que elas esperam é o caminho para manter os melhores em seu quadro de funcionários.  

2. Planos de carreira

O constante estímulo à criatividade deve ser seguido de um bom plano de carreira e de remuneração. Os funcionários deverão conhecer muito bem a companhia e tudo que ela tem a oferecer.

Eles devem estar conscientes do que a empresa espera deles e o que poderá ser feito para que alcancem seus objetivos de crescimento dentro da organização. É necessário reconhecer um bom funcionário e mostrar a ele como sua carreira poderá contribuir.

3. Valorização do indivíduo

Além da crescente necessidade por novos desafios, a nova geração de funcionários precisa constantemente de estímulos e do sentimento de que são importantes para a organização. Depois de definidos os projetos e metas, os indivíduos devem se sentir desafiados.

Após a execução de determinada tarefa o funcionário precisa sentir que faz parte da empresa e que é fundamental para aquela função.

Descubra o que faz aquele seu colaborador se sentir realmente valorizado. Após isso, faça com que ele entenda que os resultados o tornam relevante para a empresa, aumente suas responsabilidades e demonstre confiança nele.

Se perceber o contrário, ou seja, que o indivíduo é motivado por recompensas, aposte em designar uma tarefa, estabelecer uma meta e promover uma viagem ou outro tipo de gratificação. O importante é oferecer o incentivo que fará mais efeito para um determinado grupo.

4. Comunicação

A comunicação organizacional deve ser clara e objetiva. Os colaboradores devem sempre estar incluídos em comunicados envolvendo seus projetos ou departamentos.

Isso faz com que o funcionário sinta que é parte importante do negócio, motivado pelo conhecimento de todas informações. Um bom exemplo é a comunicação por e-mail de mudanças estratégicas de pessoas dentro da empresa ou, ainda, aquisições e mudanças do negócio.

5. Ambiente de trabalho

O ambiente de trabalho desempenha um papel de destaque para reter talentos. Muitas empresas disponibilizam academias, práticas de esporte em equipe, salões de beleza, almoços diferenciados e outras atividades que atraem e retêm colaboradores. As pessoas precisam sentir que o ambiente de trabalho é acolhedor e feliz.

É possível melhorá-lo em pelo menos dois aspectos: decoração e clima organizacional. O primeiro diz respeito à estrutura física e o segundo à administração de pessoas.

Em muitas empresas, a própria decoração e disposição do mobiliário faz com que as pessoas tenham a ideia de que o local de trabalho é um ambiente frio e despersonalizado, o que contribui para que elas não se sintam realmente acolhidas naquele espaço.

Permitir um certo nível de personalização e inserir objetos que tornem o espaço mais humanizado contribui para que as pessoas tenham a percepção de um ambiente receptivo. Quando os profissionais se sentem bem em um lugar, eles produzem melhor e desejam permanecer.   


6. Clima organizacional

Ainda em relação ao ambiente de trabalho, é importante prestar atenção ao clima organizacional. O autoritarismo, a pressão excessiva por resultados e a competitividade desmedida repelem os talentos da sua empresa. Trata-se de uma dinâmica doentia de relacionamentos.

Especialmente no século XXI, quando grande parte da geração Y chegou ou está chegando ao mercado de trabalho, esses instrumentos de “motivação” simplesmente não funcionam e acabam empurrando seus colaboradores mais promissores para os braços dos concorrentes.

Esta geração está muito mais preocupada com a qualidade de vida do que com cargos e salários. Além disso, para motivá-los, é fundamental uni-los em torno de um senso de propósito, um significado mais amplo para as tarefas do dia a dia.

Um ambiente com essas características garante um clima agradável que promove a felicidade do colaborador, sua satisfação, equilibra o nível de estresse e impulsiona a produtividade de toda a equipe.

7. Remuneração

É possível notar que, ao contrário do que já se acreditou, a remuneração não pode ser considerada o único atrativo para reter talentos. Mas isso não quer dizer que ela não faça parte do processo!

Além de valorizar o funcionário, oferecer um ambiente inovador e aconchegante é preciso desenvolver planos de remuneração de acordo com o plano de carreira. Ou seja, é preciso valorizar conforme as responsabilidades e as metas assumidas, mas que seja compatível com o mercado e com a empresa em questão.

8. Oportunidades de crescimento

Todos os fatores já mencionados são importantíssimos, porém, é preciso lembrar que os colaboradores realmente talentosos costumam ser inquietos. Eles sempre querem realizar mais, apresentar uma qualidade maior de serviços e serem reconhecidos como referências no mercado por isso.

Então, para aumentar as chances de permanência desse tipo de funcionário, é preciso oferecer oportunidades de crescimento pessoal e destaque profissional. Treinamentos, participação em convenções e a delegação de desafios fazem com que se sintam permanentemente estimulados.

A monotonia, a impossibilidade de vislumbrar oportunidades de crescimento e a necessidade de se adequar a uma rotina sem possibilidade de inovação são formas eficientes de afastar um funcionário talentoso de sua empresa.

Reter talentos em uma empresa faz parte de um processo em que a valorização dos colaboradores deve ser constante e alinhada aos objetivos da organização. As novas gerações precisam de constante estímulo, ambiente diferenciado de trabalho e estabelecimento de metas e objetivos que possam ser alcançados e recompensados.

O que achou das nossas práticas sobre a retenção de talentos em empresa? Que tal dividir essa informação com outras pessoas? Compartilhe este post em suas redes sociais e ajude seus seguidores a expandir seus negócios!

CTA Segredos da Gestão de RH

Assine a nossa Newsletter