fbpx

5 sinais de que a segurança do seu condomínio é falha

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

A vida em condomínio promete maior proteção, praticidade e conforto.

Mas será que a segurança do condomínio onde você mora é mesmo adequada? Confira a seguir situações que indicam vulnerabilidade na proteção de seu prédio e tire suas conclusões.

1. Desatenção ao entorno do condomínio

Para evitar brechas na segurança do condomínio não basta blindar o ambiente interno, mas conhecer o espaço ao redor, considerando itens como:

  • Iluminação deficiente da rua do condomínio e vias próximas;
  • Incidência de assaltos e outras ocorrências que possam colocar em risco a integridade dos moradores;
  • Redutores de velocidade em acessos e cruzamentos próximos ao empreendimento.

Essas informações são essenciais para criar um planejamento de segurança e ações preventivas, como: conscientização dos moradores e colaboradores quanto às normas de segurança a serem adotadas, busca por apoio do poder público para obter maior policiamento.

2. Descumprimento de normas

Todo condomínio possui regras que colaboram para a boa convivência e maior segurança de todos. Essas normas, estabelecidas em assembleias, precisam ser conhecidas e seguidas por todos os moradores e colaboradores ou prestadores de serviço, evitando brechas na proteção.

As reuniões de condôminos também podem ajudar, tendo uma pauta fixa que reforce não apenas o cumprimento das normas de segurança, bem como aprimorá-las – ou para relatar irregularidades observadas nesse sentido.

3. Estrutura física de proteção inadequada

Uma boa estrutura física voltada à proteção dos condôminos deve ter:

  • Cercas e muros com o mínimo de 3,5 metros de altura;
  • Guarita blindada com banheiro interno e boa visão dos portões da garagem e da rua;
  • Portões duplos inter-travados na entrada de veículos e na de pedestres;
  • Sistema passa-volume, não permitindo a entrada de entregadores.

Recorrer a especialistas para adequar (ou melhorar) a estrutura física aos padrões pode ser a melhor saída, especialmente em empreendimentos antigos – quando a segurança do condomínio não era prioridade. Parceiros confiáveis trabalham ao lado do síndico para obter os melhores resultados a todos os moradores.

proteção do condomínio

4. Qualificação dos funcionários

Funcionários de total confiança e qualificados para o correto desempenho de suas funções são essenciais para a segurança de condomínios – mesmo se forem terceirizados. Além disso, é preciso que passem por treinamentos e reciclagens periódicas para executar seu trabalho dentro das normas estabelecidas.

Manter os colaboradores da portaria devidamente motivados, ter uma escala de trabalho que respeite a legislação, evitando fadiga e distrações também é imprescindível para evitar problemas que coloquem em risco a vida dos moradores.

5. Falta de investimento em segurança eletrônica

Não há como abrir mão dos recursos tecnológicos no momento de planejar a segurança do condomínio. Mas é preciso escolher as soluções com base nas necessidades e eventuais vulnerabilidades do espaço.

É necessário, também:

  • Treinar os funcionários e moradores do condomínio para o uso dos recursos; 
  • Ter um planejamento de manutenção, evitando que as soluções apresentem problemas;
  • Avaliar os resultados apresentados com o objetivo de aperfeiçoar a proteção existente.

Câmeras espalhadas pelo local, alarmes com monitoramento remoto e controle de acesso são algumas das possibilidades existentes que aumentam a proteção.

 

E então, conseguiu identificar o nível de segurança no condomínio em que você mora? Tem alguma sugestão de como aperfeiçoar a proteção de todos os condôminos? Compartilhe conosco!

Assine a nossa Newsletter