A Terceirização Deverá Assumir Um Papel Estratégico E Competitivo No Brasil | Blog

RH/Terceirização

A Terceirização Deverá Assumir Um Papel Estratégico E Competitivo No Brasil

por grupometa • 27/07/2016 • 17:15

Atualmente, a terceirização é o caminho mais seguro ao destino das corporações, pois admite a retração de custos, a racionalização da infraestrutura e especialmente a gestão de pessoas

A terceirização é um tema bastante divergente no Brasil que divide opiniões no que se refere aos benefícios de sua aplicabilidade, ainda que os especialistas do assunto garantam que ela se trata de uma tendência progressista e inevitável ao mercado de trabalho brasileiro. A geração atual de profissionais opta por estilos de negócios que preservem a sua qualidade de vida, em função de jornadas de trabalho mais flexíveis e sem vínculos intimamente radicados com empregadores, o que tem estimulado empresas a se adaptarem a esta nova realidade comercial.

Sendo uma atividade consolidada globalmente, a terceirização ainda é envolvida por uma série de controvérsias no país que poderão ser mitigadas nos próximos meses. Recentemente, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, titulado pelo presidente em exercício Michel Temer, estimulou empresários ao garantir que tratará com prioridade o Projeto de Lei 4.330/04, específico à regulamentação da terceirização, caracterizando também a terceirização da atividade-fim, de modo que se tenha maior garantia jurídica, podendo determinar a formalização da atividade e gerar novos empregos.

Contudo, o Brasil precisa se conscientizar quanto à seriedade da terceirização. Para a Gerente Jurídica da Adecco Brasil, Coralli Rios, o país deve estar aberto às tendências mundiais de trabalho para se tornar mais competitivo: “Ainda há muita resistência, principalmente dos sindicatos e dos trabalhadores, diante da justificativa de que a terceirização trará redução de salários e benefícios, mas o seu conceito não é esse; a função da terceirização consiste em profissionalizar os setores de produção, não reduzindo nenhum direito do trabalhador. Evidentemente, a terceirização trará uma redução de custos para os empresários, mas ela não decorrerá do pagamento de salários menores aos terceiros, em hipótese alguma. Essa implicação se dá diante da especialização que potencializa e simplifica as estruturas das organizações”.
Sendo uma empresa mundial de fornecimento de soluções em Recursos Humanos e presente no Brasil desde 1989, a Adecco entende e reconhece a terceirização no mundo, principalmente nos países desenvolvidos em que atua, como uma prática que provoca o aumento do emprego formal respeitando os direitos do trabalhador e desenvolvendo a cadeia de produção, o que mantém as suas economias ativas e saudáveis. “Acredito que a terceirização viabilizará o aumento da contratação formal, sendo um fator importante para mudar o cenário atual da empregabilidade do país. Mudanças sempre trazem resistências, mas devem ser executadas quando as vantagens superam as desvantagens, como é o caso da terceirização”, afirmou Coralli.

Atualmente, a terceirização é o caminho mais seguro ao destino das corporações, pois admite a retração de custos, a racionalização da infraestrutura e especialmente a gestão de pessoas, por proporcionar a contratação de mão de obra ‘sob demanda’, referindo-se às suas necessidades eventuais, prevenindo a ociosidade de trabalho. Logo, para que tudo ocorra conforme o esperado, o setor ainda carece da catequização das partes envolvidas, bem como da aprovação do Projeto de Lei para que as ações possam ser devidamente seguras e legítimas, favorecendo a competitividade das empresas e garantindo os direitos essenciais dos trabalhadores.

Artigos relacionados

Newsletter

Receba dicas e as novidades do mercado para ganhar muito mais tempo e eficiência nas operações da empresa! Preencha seus dados e assine nossa newsletter:



É comum ficar confuso quanto ao percurso de uma entrevista no processo seletivo, assim como quanto ao conhecimento prévio das características requisitadas para a vaga.

O avaliador, porém, tem o objetivo de conhecer o perfil dos entrevistados e, com isso, filtrar os qualificados para a vaga proposta. Portanto, algumas questões regularmente levantadas são: a formação acadêmica, a experiência técnica e a comunicação. Abaixo, explicamos cada um dos requisitos:

 

Formação Acadêmica: Ter formação na área específica do cargo garante vantagem ao entrevistado, já que esses profissionais tem maior probabilidade de terem um maior aproveitamento e competência na atuação da vaga.

Certifique-se, então, que as informações sobre formação acadêmica estejam atualizadas no currículo, contendo nome do curso, nome da instituição e período da realização. É fundamental ressaltar os cursos por ordem de importância, para que os mais relevantes apareçam com maior destaque no currículo.

 

Experiência Técnica: Ao elaborar o currículo é importante ressaltar as experiências profissionais alinhadas ao objetivo, demonstrando qualificação para ocupar o cargo de interesse. Descreva as principais atividades realizadas nas empresas anteriores.

A experiência técnica geralmente é vista como principal item avaliado para a contratação, isso porque, para as empresas, é interessante que o profissional já ingresse apresentando resultados. Além disso, contratar um funcionário com vivência na área, economiza tempo e elimina problemas na duração do contrato.

Não deixe de colocar as datas de entrada e de saída da empresa.

 

Comunicação: É importante expor ao selecionador de forma clara e verídica, as experiências e projetos dos quais você fez parte, fornecendo informações que darão ao selecionador uma ampla base para a análise do perfil.

 

Esses são os métodos base, frequentemente utilizados pelos profissionais, como forma de buscar candidatos alinhados aos cargos.

Com os melhores avaliadores, encontramos os melhores talentos. Encontre outras dicas em nosso blog.

É comum ficar confuso quanto ao percurso de uma entrevista no processo seletivo, assim como quanto ao conhecimento prévio das características requisitadas para a vaga.

O avaliador, porém, tem o objetivo de conhecer o perfil dos entrevistados e, com isso, filtrar os qualificados para a vaga proposta. Portanto, algumas questões regularmente levantadas são: a formação acadêmica, a experiência técnica e a comunicação. Abaixo, explicamos cada um dos requisitos:

 

Formação Acadêmica: Ter formação na área específica do cargo garante vantagem ao entrevistado, já que esses profissionais tem maior probabilidade de terem um maior aproveitamento e competência na atuação da vaga.

Certifique-se, então, que as informações sobre formação acadêmica estejam atualizadas no currículo, contendo nome do curso, nome da instituição e período da realização. É fundamental ressaltar os cursos por ordem de importância, para que os mais relevantes apareçam com maior destaque no currículo.

 

Experiência Técnica: Ao elaborar o currículo é importante ressaltar as experiências profissionais alinhadas ao objetivo, demonstrando qualificação para ocupar o cargo de interesse. Descreva as principais atividades realizadas nas empresas anteriores.

A experiência técnica geralmente é vista como principal item avaliado para a contratação, isso porque, para as empresas, é interessante que o profissional já ingresse apresentando resultados. Além disso, contratar um funcionário com vivência na área, economiza tempo e elimina problemas na duração do contrato.

Não deixe de colocar as datas de entrada e de saída da empresa.

 

Comunicação: É importante expor ao selecionador de forma clara e verídica, as experiências e projetos dos quais você fez parte, fornecendo informações que darão ao selecionador uma ampla base para a análise do perfil.

 

Esses são os métodos base, frequentemente utilizados pelos profissionais, como forma de buscar candidatos alinhados aos cargos.

Com os melhores avaliadores, encontramos os melhores talentos. Encontre outras dicas em nosso blog.