fbpx

Como calcular as coberturas corretas em seguros de condomínios

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Contratar o seguro para um condomínio atualmente é lei em nosso país, e cabe ao síndico esta responsabilidade, de acordo com a lei nº 4.591 e também segundo o artigo nº 1.346 do Código Civil.

A contratação deve ser feita no máximo 120 dias após a concessão do “habite-se”. No entanto, calcular as coberturas a serem contratadas é algo que sempre gera dúvidas na hora de se efetivar este seguro.

A seguir, confira algumas dicas importantes para realizar este processo corretamente.

 

Quais os tipos de contratação?

Antes de qualquer coisa, o principal é adequar a Apólice ao que cada condomínio necessita, já que cada um é único e pode possuir necessidades diferenciadas. Por isso, conhecer bem o local de risco é essencial.

Agora vamos lá: existem duas formas de contratação da cobertura básica em um seguro de condomínio, sendo conhecidas como Básica Simples e Básica Ampla.

 

Cobertura Básica Simples

É o tipo de cobertura mais comum em condomínios. Abrange riscos de incêndio, queda de raio dentro do terreno onde está localizado o imóvel segurado e explosão de qualquer natureza. Caso o condomínio esteja sujeito a outros riscos, deverão ser contratadas coberturas adicionais específicas.

 

Cobertura Básica Ampla

Esta categoria fornece cobertura para todos os riscos que possam causar danos materiais ao imóvel segurado, por meio de um único valor contratado (com exceção dos riscos excluídos), sendo, portanto, de maior valor.

 

Como calcular o valor da cobertura?

Para cálculo do valor da cobertura básica, deve-se levar em conta o valor de reconstrução do imóvel. Um bom parâmetro para isto é o CUB (Custo Unitário Básico da construção).

Um erro muito comum é calcular o valor desta cobertura utilizando o valor de venda das unidades autônomas, mas não é o que será considerado pelas seguradoras. Ou seja, fatores como localização em áreas nobres ou idade do imóvel não devem ser levados em conta, e sim o quanto é necessário para reconstrução total do bem segurado.

Além disso, é importante atualizar os valores na renovação da Apólice, que é anual.

 

Quais coberturas contratar?

A lei não especifica quais coberturas devem ser contratadas além do incêndio, mas cabe ao síndico a proteção ao condomínio. O ideal é definir quais são elas e o valor a ser contratado em assembleia.

Entre as coberturas adicionais, pode-se destacar: roubo, vendaval, impacto de veículos, danos elétricos, responsabilidade civil do condomínio e síndico, portões e veículos. O valor sofre variação conforme a necessidade de cada local.

Por exemplo: a cobertura de danos elétricos é essencial em caso de condomínios com elevadores, por serem itens que podem queimar com facilidade em caso de descargas elétricas. Já, condomínios que não possuem elevadores, não necessitam de valor tão elevado para esta cobertura.

Condomínios comerciais ou em parte comerciais também podem exigir coberturas diferenciadas. Além disso, também é importante que cada unidade autônoma contrate um seguro para proteção de seus bens.

Procurar um corretor de seguros para ajudar na contratação dos serviços é fundamental, uma vez que estes são profissionais com experiência e conhecimento no processo de cotação e contratação das melhores propostas para cada situação.

 

A Meta Corretora de Seguros pode lhe ajudar a encontrar a solução de seguro ideal para as suas necessidades e garantir que você receba o melhor atendimento. Entre em contato para saber mais. Estamos à disposição!

Assine a nossa Newsletter