fbpx

Seguro pirata, como fugir desse problema?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Ao comprar um novo veículo é comum procurar por um seguro para se prevenir de imprevistos e prejuízos, como colisões, furtos e até desastres naturais. Mas atenção para não ser enganado pelo seguro pirata!

Durante as pesquisas é comum encontrar empresas que ofertam serviços de proteção com preços bem atraentes e até abaixo dos praticados no mercado. O que muitos não sabem é que se trata, na verdade, de um seguro pirata, serviço que oferece riscos ao consumidor.

Para ajudar a identificar esse tipo de seguro e compreender os riscos que essa contratação traz, foram selecionadas algumas informações importantes. Continue a leitura e saiba mais sobre o assunto.

 

O que é um seguro pirata?

Quando se contrata um seguro, a seguradora é quem assume o risco dos danos sofridos pelo segurado em troca do pagamento do prêmio, com todos os dados e as condições do serviço registrados em uma apólice.

Existem também os seguros piratas, comercializados com finalidade semelhante, mas ofertados por empresas sem autorização da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), órgão responsável pelo controle e pela fiscalização dos mercados de seguro.

Essas empresas funcionam como associações ou cooperativas, oferecendo proteção ou benefícios que só funcionam em cooperação. Em resumo, os contratantes do serviço dividem os valores necessários para pagar indenizações de sinistros de outros associados.

Diferente das corretoras de seguro, as associações e cooperativas não trabalham com apólice, mas sim com assinaturas de proposta de associação com o pagamento de uma taxa de adesão. Ou seja, o cumprimento de cobertura pode não ser tão garantido quanto se espera. O pagamento se trata de uma mensalidade fixa, acrescida do valor referente a divisão da indenização dos outros membros, quando ocorrem acidentes.

 

Como fugir de um seguro pirata?

Tendo em vista a falta de regulamentação legal e a ausência de um órgão fiscalizador que garante o cumprimento das disposições contratuais, o seguro pirata pode gerar prejuízos para o contratante.

Como as regras são diferentes e os acordos também, existe um grande risco de que em caso de problemas, o pagamento da indenização não seja cumprido dentro do prazo, ou pior, nem seja realizado.

Por isso, é preciso ter cuidado no momento da contratação para garantir a regularidade do serviço. Confira algumas dicas a seguir.

 

Pesquise se a seguradora é autorizada pela SUSEP

O primeiro passo para garantir a regularidade do seu seguro é conferir se a empresa é autorizada pela SUSEP, por meio do site ou de um telefone. Se a empresa não for autorizada pelo órgão, trata-se então de um seguro pirata.

Esse procedimento é fundamental, tendo em vista que somente uma empresa supervisionada dará ao consumidor a segurança de que as normas serão seguidas.

 

Desconfie de valores abaixo do preço de mercado

As seguradoras são obrigadas a manter uma reserva de recursos para garantir o pagamento das indenizações dos seus clientes. Esse valor influencia no prêmio, tendo em vista os riscos assumidos pela empresa, por isso, o valor das seguradoras tendem a ser similares.

Os seguros piratas não são obrigados a ter uma reserva, portanto, quando precisam pagar os valores de indenização, as empresas dependem do pagamento dos demais associados. Esse é o risco que permite o valor inferior desse serviço.

Sobretudo, também há o risco dos pagamentos não serem efetuados, seja pela inadimplência dos demais contratantes ou pela má administração da empresa.

Por isso, sempre que as ofertas de valores forem inferiores aos praticados pelo mercado, é importante consultar a empresa na SUSEP e buscar por mais informações.

 

Verifique se a empresa faz a avaliação de risco dos segurados

Para fixar o valor de um seguro, as seguradoras consideram diversos fatores relacionados ao segurado e ao carro para calcular o risco do negócio e garantir a viabilidade financeira do contrato.

Nos seguros piratas, considera-se apenas o valor da tabela FIPE do veículo. Caso a cotação não peça dados em relação aos condutores e segurados para avaliação dos riscos, provavelmente o serviço que está sendo ofertado não é um seguro.

Também é preciso ficar atento aos termos utilizados. As empresas que oferecem seguros piratas utilizam nomenclaturas diferentes, como proteção ou clube de benefícios, para burlar as normas e não serem consideradas ilegais.

Desse modo, dando atenção aos termos, aos valores e pesquisando a empresa junto à SUSEP, é possível garantir a regularidade do seguro contratado e fugir de seguros piratas.

 

Faça a cotação com uma corretora de seguros e saiba de todos os benefícios de um seguro auto.

Leia também: 3 benefícios do seguro de vida para funcionários

Assine a nossa Newsletter